vida, universo e tudo mais

Reflexões sobre duas rodas

Ou: como parei de me preocupar e resolvi rodar 2000km em uma Café Racer

Resolvi descer para a Serra do Rastro da Serpente em São Paulo e falhei miseravelmente. Nunca tinha feito uma viagem longa com a Elsa e resolvi tentar logo de cara uma de 3 mil km, talvez 4 se eu animasse em continuar. Chegando em Ribeirão Preto eu pedi as contas, botei o rabo entre as pernas e voltei devagarinho, pensando como era possível sentir tanta dor em todo o corpo e continuar rodando. Esses são os pontos que aprendi pelo caminho.

A Elsa, minha Cafe Racer (uma Continental GT 650) estacionada num posto de atendimento de uma BR

• Existe um motivo para uma Cafe Racer se chamar "Cafe Racer" e não "World Tourer";

• Aquilo ali que ela tem não é um banco, é uma tábua;

• Invejei os tiozões que viajavam nas motos custom da vida;

• Menosprezei os mesmos tiozões que diziam como era sofrido rodar muitos quilômetros de moto e como eles eram guerreiros por fazer isso. Meu filho, tu tá num sofá de duas rodas. Sobe aqui numa racer pra ver o que é bom pra tosse.

• Gastei mais ou menos 7 litros a cada 160 quilômetros, o que me dava aproximadamente 22km/L de consumo;

• Com um tanque de 12 litros eu poderia teoricamente rodar 260 quilômetros antes dela parar, mas a cada 140 quilometros rodados eu já ficava ansioso atrás de um posto de gasolina;

• Moto refrigerada a ar ESQUENTA, principalmente se você se mantiver acima de 110 km/h;

• Falando de calor, meu celular foi meu GPS e ele cozinhou o caminho todo no suporte. Acho que a bateria dele nunca mais vai ser a mesma;

• Câmera no capacete, não use. O peso com o tempo cansa o pescoço e o vento joga a cabeça pro lado, ela cria muita resistência aerodinâmica. E além disso a bateria acaba rápido. Prenda na moto e ligue numa tomada USB;

• Aliás, não instalei tomada USB. Mantive o celular vivo com uma bateria de 20000mAh, durou as 10 horas e ainda saiu com carga;

• A BR-050 é a rodovia mais tranquila que já peguei, toda duplicada e em condições ok;

• A Anhanguera é a pista mais CHATA que já rodei, um retão infinito sem paisagem;

Essa deve ser a tal da Infinita Highway

• Os pedágios são um atraso de vida, muitos aceitam cartão mas uma boa parte só pagando em dinheiro. DINHEIRO. Feito um selvagem. Em pleno ano de 2024. E nem adianta tag, moto não pode usar - elas são ilegais em pedágios e os leitores não reconhecem.

• Muito caminhões pelo caminho, mas como a BR-050 é duplicada eles não foram problema;

• Odeio passar por Valparaíso e por Luziânia com todas as minhas forças, os motoristas dali são suicidas. Aumentei o tempo de viagem em 1 hora indo pela GO-436, mesmo estando estrupiado, para não passar por aquele inferno;

• Aliás, esse trecho da GO e o início da BR-050 foram os mais divertidos da estrada;

• Leve um borrifador com água e uma flanela para limpar as toneladas de insetos que vão se espatifar na viseira e na jaqueta;

Viseira limpa depois de muito esfregar, mas ainda com sinais do massacre no resto do capacete e jaqueta

• Parei em praticamente todos os pontos de apoio das BRs para me esticar e beber água, isso deve ter aumentado o tempo de viagem em pelo menos uma hora;

•Gastei 10 horas para ir até Ribeirão e 10 para voltar de lá. Foram 20 horas pendurado em cima de uma Cafe Racer;

• Meus braços ficaram dormentes durante o caminho;

• Minhas pernas ficaram dormentes durante o caminho;

• Fiquei com dores nas articulações e nas costas por três dias;

• Fiquei me perguntando no caminho por que diabos resolvi fazer isso;

• Mal posso esperar para fazer de novo.

royal enfieldcafe racermotoviagem Maio 3, 2024

bits e bytes

De AI para aiaiai

Mas por quê esse pessimismo de repente? Muito porque eu não me incomodava com as ferramentas de inteligência artificial generativa, até o momento que elas deixaram de ser uma opção.

Antes eu precisava ativamente ir atrás da ferramenta, ativá-la e manipulá-la para conseguir produzir alguma coisa e ter algum resultado. Hoje elas estão se espalhando por todo o lado, em todas as ferramentas, e não estou exatamente ok com isso. O Windows mesmo quer tornar a AI um negócio tão obrigatório que a Microsoft criou um botão no teclado dedicado à inteligência artificial dela, o Copilot, que tem virado parte cada vez mais obrigatória do sistema operacional, e passou a exigir que todos os novos computadores certificados para rodar Windows tenham o maledeto.

Isso me incomoda, por sentir que há uma chance muito grande de ser violado por uma corporação que só vê você como um número. Por um lado eu sempre quis uma ferramenta decente de busca, que realmente encontrasse os arquivos que eu preciso apenas olhando o contexto da pergunta. Por outro, ter todos os meus dados e arquivos particulares - incluindo aí relatórios médicos, planilhas de despesas, projetos pessoais e até diários - processados por um computador em algum lugar do mundo, gerenciado por sabe-se lá quem, é dar um poder enorme a uma empresa sobre a minha vida, que vai ser capaz de analisar e tirar conclusões (certas ou erradas) sobre tudo que eu faço ou que posso fazer. E não só isso, esse perfil "perfeito" da minha vida e personalidade vai ser vendido para quen pagar mais, enfiando mais propaganda na minha vida. É uma distopia Minority Report, mas os precogs são feitos de chips em vez de três humanos em uma banheira, e usados para vender lençóis e liquidificadores das Casas Bahia.

É ruim saber que virei o velho que grita para as nuvens e ter que dizer "no meu tempo isso não acontecia". Antigamente um computador era um computador, e um tocador de MP3 era só um tocador de MP3. Nenhum deles monitorava cada clique, cada interação, e cada arquivo que eu abria. Um avanço da tecnologia era recebido com um entusiasmo autêntico de quem sabia que a vida realmente ficaria mais fácil.

Hoje, acabou. Cada avanço e cada mudança é feita para piorar a vida da pessoa, tornar as coisas mais difíceis, e tentar tirar cada centavo do seu bolso e mandar para o bolso das empresas. Tudo ou é assinatura, ou sofre mudanças para pior com atualizações de software, ou simplesmente não podem ser reparadas porque é mais barato comprar o aparelho novo que vem com ainda mais amarras. E com isso vou virando cada vez mais ludita, procurando afastar os eletrônicos da minha vida para ter uma vida mais analógica, porque isso eu sei que posso usar, reparar e controlar do jeito que eu quiser.

Vamos ver até onde eu consigo.

AI Abril 12, 2024

bits e bytes

Quer saber? Retiro tudo que disse sobre IA

Eu, na minha ingenuidade, não esperava ver um movimento tão forte de substituição de artistas por ferramentas de AI. Ainda acredito que são recursos fantásticos que agilizam demais a vida: tarefas chatas como recortar um personagem ou preencher um fundo incompleto ficaram bem mais simples. Mas ver artistas e escritores serem efetivamente demitidos e trocados por essas ferramentas é algo que eu não queria acreditar. Estamos indo para um futuro onde arte, música e literatura estão sendo automatizados, deixando os humanos livres para trabalhos bossais, virando batedores de carimbo.

Há pelo menos um consolo: AI depende de conteúdo produzido por outros para funcionar. Vai chegar um ponto onde a AI vai se alimentar de arte produzida por AI, regurgitando conteúdo a ponto de só existir lixo em cima de lixo, incompreensível e inservível, quebrando o ciclo e todas as empresas de AI junto. Some a isso às novas ferramentas de envenenamento dos modelos de dados, protegendo as obras de serem absorvidas pelos modelos, e talvez esse momento esteja mais próximo do que pensamos.

Mas claro, isso também pode ser mais um pensamento ingênuo.

Abril 3, 2024

bits e bytes

E lá vamos nós

O WordPress anunciou que todos os sites dele agora vão servir de material para alimentar bot de AI dos outros, e problema seu se não gostar. Claro, por enquanto dizem que só os blogs hospedados do Wordpress.com serão processados e regurgitados, mas duvido que eles não enfiem uma cláusula no futuro enfiando o sistema de quem hospeda tudo por conta própria. Como dizem por aí, é "dinheiro na mesa", só esperando alguém passar e pegar.

Agora estou eu aqui migrando minhas tralhas para outro sistema, e por enquanto resolvi ficar com o Bludit.

{% Kwrfc4HghBA %}

O Bludit é um sistema levinho, limpinho, e bem mais básico que o Wordpress para gerenciamento de site, o que tem seus prós e contras. O lado bom é que ele é rápido e simples de editar, e consigo unhar direto no código do tema para deixar aqui com a cara que eu quero. É bem mais fácil partir para o faça-você-mesmo quando eu quiser alguma coisa mais diferentona.

O ruim é que é um trabai do carai para editar as coisas, e o código nem sempre faz o que eu quero do jeito que eu quero. Ou seja, coisas estranhas ainda acontecem por aqui, como imagens cortadas ou apertadas quando o site é visto pelo celular.

Vou ajustando e cozinhando tudo com o tempo. Afinal isso aqui sempre foi um site caseiro, orgânico, sem corantes nem conservantes.

Março 20, 2024

vida, universo e tudo mais

Microblogando

Eu: juro pra você, acabando mais essa pós eu vou ficar 5 anos sem estudar nada e só curtir a vida.

Eu também: olha, curso de 3D no Blender! *inscreve*

Fevereiro 28, 2024

artes e design

Inhotim. Vale?

Não. Próxima pergunta.

Hã? Quer saber mais? Então tá. Faz tempo que eu não escrevo um texto opinioso sobre artes que deixa as pessoas vociferando com o dedo apontado pra tela.

O que todos precisam saber de Inhotim é que o lugar é um museu. Estiloso, bonito, cheio de paisagens, mas um museu. E de arte contemporânea ainda por cima. Eu pessoalmente adoro aquele lugar e quero voltar sempre que tiver chance mas, correndo o risco de soar elitista, não é pra qualquer um.

E eu não digo isso no sentido de me achar intelectualmente superior a todo mundo (apesar de… Não. Para. Contenha-se, homem), mas por todo o contexto. Inhotim é caro. Uma água em lata é seis reais. O bandejão deles sai por mais ou menos 50 reais, menos se você não comer quase nada. O ingresso é, por dia, 40 reais a meia, 80 se pagar meia e usar o transporte interno (e acredite, você vai querer usar o transporte interno. A menos que suas caminhadas morro acima e abaixo estejam em dia). E você não vai conseguir ver tudo em um só dia, porque o lugar é enorme.

Claro, tudo é muito lindo ali: os prédios modernos estrategicamente colocados à frente de um espelho d’água, a ponte posicionada no lugar perfeito para tirar fotos, o paisagismo impecável. Mas tudo isso é pontuado, ou manchado dependendo da sua opinão, por obras de arte contemporânea.

E esse é o ponto. Se você não gosta de arte contemporânea, se você acha uma bobagem ver um teto cheio de bolinhas de isopor ou uma parede com um ônibus cortado ao meio pendurado, ou um Fusca colorido posando como obra de arte, ou se você não tem a menor abertura para obras de arte contemporânea, ou mesmo obras de arte em geral, tudo isso vai incomodar e até irritar, estragando o que seria um passeio num jardim botânico. Você vai ficar enfurecido, pensando que pagou 200 reais por pessoa para ver uma sala cheia de cacos de vidro no chão.

Veja bem, não digo que você precisa gostar de arte contemporânea, mas precisa pelo menos aceitar que existe e que está tudo bem. Eu mesmo não gosto de várias obras dali (o tal ônibus da parede, por exemplo), adoro outras (Desvio para o Vermelho!), e sou indiferentes a mais algumas. Mas sei que aquilo é parte da experiência, e é pra isso que eu vou lá.

Agora, gastar uma baba para ficar de bico vai estragar sua carteira, seu humor, e o passeio de todo mundo, só para dizer que conheceu Inhotim. Então poupe seu dinheiro e vá para a praia. Você vai aproveitar muito mais e não vai precisar reclamar da obra que é só um buraco no chão.

Fevereiro 6, 2024

artes e design

Saudade de tu, Inhotim

Ainda mais quando tem obras novas pra ver. Postei tudo na minha galeria.

Janeiro 6, 2024

bits e bytes

O futuro não é Terminator, é Marvin

Depois de ler essa matéria maravilhosa no Ars Technica dizendo que o chatGPT está com preguicinha de fim de ano eu só consigo pensar nisso:

O futuro não vai ter Skynet porque os robôs vão virar humanos e ficar sentados em frente à TV assistindo Dorama na Netflix.

Dezembro 15, 2023

contos

Ciência!

-Motor de probabilidade?

-Motor de IMprobabilidade!

-Como assim?

-Assim. Você usa a probabilidade viajar. Quanto menos provável for a chance de você estiver em um determinado lugar neste momento, mais rapidamente você chega lá! Escreveram até um livro sobre o conceito.

-Aquilo era uma comédia com ficção científica como pano de fundo. Com uma cantina italiana robótica como centro do motor.

-Sim, mas a idéia fundamental foi lançada. Lembre-se que a ficção científica sempre foi a base para a realidade de hoje.

-Tá, mas isso? Como você espera chegar PERTO de construir algo assim?

-Simples. Sento e espero.

-Hã?

-Sério. Cheguei a pensar em um sistema com base em cálculos probabilísticos de bingo e loterias contido em um campo magnético, mas percebi que seria muito mais prático sentar e esperar. Afinal, o motor funciona com probabilidade, certo? Quanto menor a probabilidade de um evento ocorrer, mais próximo ele estará. A probabilidade dele aparecer por perto é muito pequena, o que o trará mais rapidamente para mim. Simples.

-…

-…

-Essa é a idéia mais idiota que já ouvi na vida.

Novembro 17, 2023

contos

“Mas pára com isso e devolve o motor do carro!”, disse Angela. Jeff, feliz da vida com o projeto, não ligou. “Isso é ciência, mulher!”

Novembro 15, 2023